No dia 10 de março os alunos do 1° ano do Ensino Médio participaram de uma saída para exercitar o olhar sobre produções artísticas brasileiras. O foco foi a exposição “Coleções em diálogo: Museu Paulista e Pinacoteca de São Paulo”, que remete à origem comum de ambas as instituições e conta com peças que pertencem aos dois acervos. São obras que retratam o Brasil nos seus mais diversos aspectos, como as paisagens, as pessoas, os comportamentos e os costumes, a fauna e a flora e o início da urbanização, entre outros.

Eles foram acompanhados dos professores Acácio Arouche (Artes), Álvaro Vieira Neto (coordenador do Ensino Médio), Braian Sanches Matilde (Filosofia e Sociologia) e José Carlos Hiakuna (Geografia). “A mostra é bem interessante e adequada para nossa discussão sobre arte, estética e preparação do estudo da arte”, avalia Acácio.

Pinacoteca (11)

Mesmo em um dia marcado por intensa chuva, os alunos não desanimaram e demonstraram animação e interesse durante a visita à Pinacoteca.  “Essa aula fora da sala foi uma grande oportunidade para apreciar obras de artes e, nelas, entender melhor a construção social do nosso próprio povo. Tudo com liberdade para os alunos, sem aquele peso da obrigação. Era deles a decisão de qual obra era mais interessante para dedicarem a atenção”, revela Braian.

E após duas semanas tivemos um gratificante retorno. Como alguns alunos não puderam participar da visita à Pinacoteca, um deles fez questão de acompanhar o colega fora do horário de aula para juntos verem as obras. “É uma sensação de vitória ver os alunos indo aos museus por livre e espontânea vontade”, comemora Braian.

“O problema da apreensão do objeto pelos sentidos é o problema número um do conhecimento humano. A primeira aquisição científica, a primeira aquisição filosófica e a primeira aquisição estética estão reunidas de início no nosso poder de perceber as coisas pelos sentidos. O primeiro olhar do homem contém em si, em germe, todo o futuro de uma civilização. Em que consiste esta apreensão do objeto pela visão? Em distinguir lá fora uma estrutura. Tudo no mundo está aí para ser visto, ouvido, cheirado, tocado, sentido, percebido, enfim. Esta é a experiência imediata. Sobre ela o homem construiu os impérios, edificou seus monumentos, organizou a vida, elaborou a ciência, inventou as religiões com os seus deuses, criou a arte.”

Mário Pedrosa, crítico de arte