dialogo_familia

Inaugurando os bate-papos com os pais, conversamos com Kelly Patrinhani Magalhães Okuma. Ela é bacharel em Ciências Contábeis e mãe de Bianca (5°A) e Victor (1°B).

2013_pais_kelly

Como conheceu a escola e qual o motivo da escolha?

Meu esposo tem descendência oriental e sempre foi de sua vontade colocar nossos filhos neste colégio. Quando visitei o ensino infantil, ainda na Rua Guapiaçu, senti um ambiente acolhedor, familiar. Sendo assim, juntamos a parte pedagógica forte da escola com nossas expectativas de um ambiente acolhedor e familiar. Estes dois fatores foram determinantes em nossa decisão.

Quais eram suas expectativas? Estão sendo atendidas?

Minhas expectativas sempre foram voltadas para a parte pedagógica. Minha filha Bianca é uma criança muito carismática, mas geniosa e um tanto quanto desorganizada. O Pioneiro trouxe para ela um pouco de disciplina, ordem e também ferramentas para o estudo. Enfim, contribuiu e continua a contribuir para o que ela é hoje. Já o Victor é ainda mais carismático e penso que seja um pouco mais focado que ela, mas ainda é cedo para afirmar isso categoricamente.
Entendemos que todos são diferentes, com suas características individuais, o que nos torna únicos. Acreditamos que dentro de uma formação bem sucedida há muitos outros fatores que irão diferenciar um bom profissional de um mediano.

O que destacaria de positivo?

A disciplina, a valorização ao próximo e o ensino.

Algo a sugerir?

Às vezes sinto que o formato do estudo está um pouco ultrapassado, até obsoleto. Sinto que precisamos deixar as crianças pensarem por si mesmas. Para crianças mais independentes, com um perfil mais questionador, parece-me que “podamos” a autonomia do pensamento delas e as privamos de pensar, o que causa certa frustração para elas. E digo “nós”, pois se nossos filhos continuam no colégio é porque estamos satisfeitos… Mas entendo que poderia ser diferente em alguns aspectos.

Algum fato marcante neste tempo de relacionamento?

São longos anos de relacionamento e alguns acontecimentos marcaram sim, mas em um primeiro momento nada que pudesse ser descrito em poucas palavras. O fato é que sempre tivemos um diálogo honesto e aberto em todos os sentidos. Fomos ouvidos e ouvimos também. Sempre procuramos a diplomacia para resolver qualquer impasse que porventura possa ter acorrido, visando o bem-estar e o desenvolvimento dos nossos filhos.

Como definiria a escola?

Educação de qualidade, com respeito ao próximo e à família.

Qual a mensagem ou conselho que passaria para os outros pais?

Escolher o futuro de nossos filhos baseados apenas em status é algo muito perigoso. Precisamos respeitá-los com escolhas que levem em consideração o individual de cada um e que integre valores familiares e educação. Para a nossa família, o Pioneiro cumpriu e continua a cumprir este papel. Fizemos muitas amizades com pais de outros alunos e certamente isso para nossos filhos é de extrema importância. Pais e famílias com valores semelhantes, crianças com educação parecida. Certamente algo que tanto nós, quanto nossos filhos levarão para toda a vida.