Durante os próximos dois meses traremos a história de alguns professores do Pioneiro, que encararam o desafio de embarcar em uma máquina do tempo e nos contar como eram suas vidas quando tinham a idade dos alunos que dão aula hoje. Nessa viagem ao passado, tiveram de recorrer aos pais, aos registros dos amigos e até aos antigos álbuns de fotos, na tentativa de resgatar as memórias. Eles se divertiram e se emocionaram – e agora dividem com a gente um pouco dos momentos que ajudaram a formar quem eles são hoje. A seguir, o relato da professora Regina Garcia, de volta ao ano de 1974, o primeiro texto  da série “Como eu era quando eu tinha a sua idade…”

reginana escola

Eu posando em foto escolar na 4ª B, que hoje corresponde ao 5º ano

Meu nome é Regina do Carmo Esteves, eu tenho 10 anos e sou aluna da 4ª série na Escola Estadual Pedro Voss. Hoje fui pra escola com meu uniforme de sempre, saia xadrez de pregas e camisa branca com o emblema da escola. Todo ano minha mãe fica horas bordando o emblema da escola no bolsinho da minha camisa. Eu também uso sapatos pretos e meias brancas que vão até o joelho. Em um dia mais frio como hoje, eu visto uma blusa de lã azul que seeempre volta na mochila. No início do ano minha professora era a Inah, mas ela ficou doente e foi embora. No lugar dela veio a Eulália. Eu adooooro a professora Eulália. Sabia que ela é parente daquele escritor que fez a Emília, o Monteiro Lobato? Acho que é por isso que ela sabe desenhar super bem. Sempre que ela está de bom humor eu me ofereço pra apagar a lousa e distribuir o material. Mas o que eu gosto mesmo é de escrever no gordinho. Gordinho, pra quem não conhece, é um caderno da professora que fica cada dia com um aluno. Quem recebe o gordinho tem de fazer todas as lições do dia nele. Depois a professora recolhe. Genteeee, quando o gordinho vem pra mim eu fico até suando. Eu quero fazer tudo do jeito mais lindo: a letra mais caprichada e colorir, muito.

Quando toca o sinal para o recreio, minha barriga já está roncando. Eu amo quando encontro na lancheira pão doce com creme ou bisnaguinha com recheio de goiabada. Meus pais são donos de duas padarias e meu lanche vem sempre de lá, fresquinho. E depois que eu como,  quase sempre sobra tempo pra brincar de pega-pega, de queimada e de pula elástico. Na minha escola tem um monte de pilastras e a gente usa todas pra brincar. É tipo um “bobinho da pilastra” e funciona assim: cada um dos meus amigos fica em uma pilastra e um só fica no meio. O desafio é trocar de pilastra sem deixar o bobinho tocar na gente. Ahhh, eu estava até me esquecendo…Sabia que aqui tem campeonato de amarelinha? Eu nunca ganhei, mas sou muito boa nisso.

No fim do mês já tem prova de novo!!! Eu amo português e ciências, e nem preciso estudar muito. O chato é que eu tenho que estudar M-A-T-E-M-Á-T-I-C-A!!! Não sei o que acontece, mas parece que dá um branco quando eu começo a baixar os dados pra resolver aqueles problemas… Uma pergunta: sua prova tem cheiro de quê? As minhas têm cheiro de álcool misturado com tinta e são bem quentinhas. Minha professora disse que é porque elas são impressas no mimeógrafo (equipamento que produz cópias por tração manual ou mecânica). Acho que deve ser caro porque elas vêm contadas, uma por aluno. Se a gente errar, ela não dá outra.

Eu moro com a minha mãe, com o meu pai e com a minha irmã mais velha em uma vila de casas. De vez em quando eu brinco de carrinho de rolimã na rua. Eu também gosto de visitar a minha avó porque ela tira leite da vaca e eu vou junto. Também aproveito pra brincar com os coelhos. Aliás eles têm até nome: um chama Pimpolho, o outro Pipoquinha… O engraçado é que depois de alguns meses o Pipoquinha, que era filhote, já tem até filho.

Preciso contar um segredo pra vocês. Acho que sou sonâmbula. Teve um dia que fui dormir calma e tranquila na minha caminha e acordei na padaria de pijama quase de madrugada. Sorte que meu tio me viu e me levou de volta para casa. Mais uma coisa, essa não é segredo, mas eu não gosto muito. Tenho um medo ENORME de água, então a minha mãe me colocou na natação. Já está melhorando um pouco, mas ainda falta bastante.

Este ano fui fazer trabalho de escola na casa de alguns amigos. A gente termina tudo bem rapidinho pra sobrar mais tempo pra brincar. Este ano também participei do meu primeiro amigo-secreto. Tive sorte e azar. Sorte porque tirei minha melhor amiga, fiquei muito feliz, mas azar porque o Maurício me tirou, o menino mais lindo da sala. Quase morri de vergonha. Ele me deu uma correntinha com um pingente.

Nas férias eu devo viajar de ônibus para Orlândia, uma cidade do interior. Eu passo a noite toda no ônibus e só chego de manhã. Lá eu me hospedo em uma pensão, visito alguns amigos dos meus pais e vou ao clube com a minha família. Lá em Orlândia parece até que o tempo passa devagar. Da última vez me lembro de deitar com o meu pai na cama e ele me ensinar a ver as horas no relógio de ponteiro e decorar a tabuada do oito.

Gosto muito de crianças, acho que quando crescer quero ser professora… Tenho uma prima mais nova, a Vivi, e gosto de cuidar dela. Como eu adoro dançar, ensino a minha priminha alguns passos de balé.

Texto de Regina Garcia, professora do 5º A. Regina tem 53 anos, é casada, mãe de três filhas e avó de um menino de dois anos. 

Regina_turma

Eu e minha turminha!