arte-naifPara aproximar os alunos das turmas de 2º ano da Arte Naïf, movimento estudado em aulas, a proposta de saída de Estudo do Meio foi levá-los à galeria Jacques Ardies, que reúne quadros e esculturas de artistas brasileiros expoentes do estilo.

Foi também uma atividade que possibilitou ao aluno uma chance de desenvolver sua competência estética e artística, com a produção de um trabalho pessoal de releitura das obras.

Confira os relatos das professoras que acompanharam o grupo e o registro fotográfico que fizeram:

Os alunos apreciaram a visita, pois não é um passeio “normal” para eles. Desconheciam a função de uma galeria de arte. Eles participaram de uma conversa muito animada com o senhor Jacques, pois estão bastante interessados na Arte Naïf, uma forma de expressão muito próxima a eles.

Chamou a atenção o conhecimento deles em relação ao tema, pois chegaram a reconhecer algumas das obras expostas. Eles realizaram ainda a releitura de algumas delas. As crianças se se comportaram como perfeitos “artistas”, usando a criatividade e a imaginação.

Professora Cássia Maria Pereira dos Santos – 2º ano B.

Os alunos estão trabalhando com a Arte Naïf e a visita à galeria veio ilustrar as aulas de uma forma mais real, pois eles só tinham visto imagens e vídeos em sala. A questão de conhecer uma galeria proporcionou também uma experiência interessante e nova, uma vez que os alunos em geral têm uma vivência maior com o espaço de museus.

O próprio Jacques Ardies nos recebeu para delicioso bate-papo no jardim casa onde fica a galeria, um espaço que por si só já é um convite a momentos agradáveis. Os alunos concluíram a visita fazendo releituras das obras, por meio da própria interpretação do que viram.

Professora Luciana Magno da Silveira – 2º ano A e C.

Foi a primeira vez que eles visitaram uma galeria de arte. E esta especificamente é um espaço interessante, que traz em cada objeto a presença desta arte tão colorida e que representa o cotidiano de diferentes lugares, situações e o foco dos artistas. Lá as crianças se depararam com obras que poderiam comprar e levar para casa, diferenciando o conceito e o espaço de um museu e de uma galeria.

Apreciar e observar os detalhes e os temas abordados pelos pintores e poder escolher os trabalhos que mais gostaram, fazendo releituras, fez com que curtissem ainda mais a nossa tarde, um presente para todos. O local é aconchegante devido à própria arquitetura da casa, que oferece espaço e liberdade para a circulação e apreciação das obras. Sem contar a receptividade do proprietário, que é encantado pelo assunto e nos contagiou pelo amor à Arte Naïf.

Professora Chrystianne Roberta de Oliveira – 2º ano D.