Beatriz Noda Sanches Gonçalves  – 8ºB – 2015

Juvenal é meu colega de trabalho. Ele é um homem austero, sisudo e muito inibido. Tem um corpo graúdo e robusto. Sua face é pálida, porém, no meio dela, há um rotundo, encarnado e volumoso nariz. Sua fisionomia é rude, coisa que assusta meus amigos e até mesmo nosso chefe. Seus olhos são da cor do carvalho, reluzentes e sagazes. Quase sempre é visto usando um terno azul como as profundezas do mar e uma calça preta, exceto nas especiais ocasiões em que sai de seu habitat natural, o escritório, e vai para casa, quando usa uma simples calça de moletom e uma camiseta. Nessas últimas semanas, decidi tentar descobrir o que ele esconde nas profundezas de seu espírito e comecei a conversar com ele. Foi então que percebi que ele é, na verdade, um homem cortês e loquaz com os íntimos, e, atrás do obsoleto relógio de bolso que carrega, jaz um estupendo homem.

—–

Descrição da atividade

Na aula de Oficina Literária, um curso extra oferecido aos sábados, trabalhamos alguns adjetivos novos, visando ampliar o vocabulário dos alunos. Após fazermos um jogo da memória em sala (para facilitar a memorização dos novos vocábulos), os alunos criaram um personagem chamado Juvenal, atribuindo-lhe características físicas e psicológicas, utilizando-se de alguns dos adjetivos aprendidos.